O Último Sermão

EPÍLOGO

O Último Sermão


    “Eis que chega a hora, e já se aproxima, em que vós sereis dispersos cada um para sua parte, e me deixareis só; mas não estou só, porque o Pai está comigo.
Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”
- João 16

    Esta é uma Obra inacabada, não porque não concluiu-se o que deveria ser exposto, mas porque para falar destes Mistérios em sua totalidade teríamos de tratar de toda a história das Eras e dos Mundos, não apenas de tudo quanto já existiu, mas de tudo quanto ainda existirá. E, não apenas do que é Matéria, mas do que é Espírito e do que está além disto.

   Se colocamos o símbolo no piso e se andamos ao redor dele, vemos que se estamos do ponto de vista do “0”, vemos o “6” a esquerda e o “9” a direita. Se nos movemos para o ponto de vista do “1”, vemos que igualmente o “6” e o “9” continuam iguais, sendo a esquerda e a direita, e isto é significativo.

   Existe uma matemática humana, intelectual, mas existe também, uma matemática dialética, uma matemática conscientiva, intuitiva, realmente espiritual e Divina.

   E este símbolo é, pois, a fórmula que aplicamos a todas as coisas.

   Todos nós sofremos influência de diferentes maneiras, também de certa maneira geramos influências, tanto físicas como internas.

   Os Corpos Celestes têm um grande papel em influenciar o mundo e por consequência, as pessoas.

   Os números têm uma gigantesca influência em nossa vida, em aspectos que vemos e em formas que não vemos. Os próprios astros são o resultado de matemáticas e de números em sua base.

   Os números estão em toda parte e estes geram uma série de influências, quase sempre totalmente imperceptíveis para as pessoas em geral, mas que com alguma observação e esforço podemos compreender e fazer uso, ou mesmo nos liberar de tais forças quando oportuno ou necessário.

   Muitos dos Mistérios Espirituais são sintetizados em números, em uma cifra numérica a qual é sua síntese e sua representação.

   Nossa própria base como pessoas tem íntima relação com os números. No nível que observarmos, vamos encontrar números. Temos certo número de células, de funções, de átomos, de órgãos, de membros. Os Próprios Átomos têm seu número de elétrons, de prótons e de neutrons, e isto tudo significa algo.

   Temos as medidas de tempo, temos as medidas de espaço, temos até mesmo, as medidas de Consciência, de Espírito (Graus Iniciáticos).


   Podemos assegurar que de diferentes maneiras, tal mistério já foi intuído e mesmo assinalado ao longo da história.

   Eliphas Levi, ao observar o mundo natural e sobrenatural, afirmou: “Conhecer o movimento deste sol terrestre, de modo a poder aproveitar das suas correntes e dirigi-las, é ter realizado a grande obra, e é ser senhor do mundo”.

   Isto tudo que diz Levi é uma forma intermediaria de referir-se ao mesmo mistério que aqui falamos em sua origem. Afinal o movimento deste Sol terrestre é uma referência ao “1” e ao “0”, e suas correntes são o resultado destas duas manifestações, o “6” e o “9”, já o “8” neste caso é o próprio Sol.

   Nikola Tesla, por outro lado, afirmou o seguinte: “Se você conhecesse apenas a magnificência do 3, 6 e 9, então você teria a chave para o universo”.

   Claro que Tesla, baseou-se para tal afirmação, acima de tudo na ciência, em sua matemática, mas é mais uma vez o mesmo que aqui afirmamos.

   Temos de recordar que o “3”, é o número da Divindade, já que são três que são um, afinal a Divindade é una, mas é sempre Trina. Assim representa este 3, o “1”, “8” e “0”. Já o “6” e o “9” são a referência ao movimento destas forças.


   Tudo sempre se reduz a unidade, e aqui encontramos a unidade de tudo, mesmo quando sendo nada.

   A Unidade (1), o Todo (8), o Nada (0) e mesmo suas progressões (6 e 9), são o próprio mistério.


   Muito aqui foi dito, mas há muito que não foi, e isto tanto porque não seria possível explicar adequadamente dentro do atual contexto desta Obra, bem como não seriam coisas compreensíveis ou mesmo aceitáveis dentro do entendimento e do momento atual em que vive esta humanidade.

   Tudo o que foi dito além da Palavra e do Símbolo, é simplesmente para motivar a jornada de cada um até a Verdade, ainda que ao fim somente importe tal mistério em sua base, em seu segredo.

   Anelamos a vós, que consigais realmente, integrar-vos com tal princípio e que possais por si mesmos penetrar nos mistérios mais além do véu e façais vossa morada na própria casa do Altíssimo, estando com ele pela eternidade dos séculos.

   “Se vós chegais a uma cidade ou aldeia, em qualquer casa que entreis e vos recebam, dai-lhes um Mistério. Se eles o merecem ganhareis as suas Almas e herdarão o Reino da Luz. Porém, se eles não o merecem e vos enganam e também fazem um espetáculo público dos Mistérios, pondo-vos à prova assim como também aos Mistérios, invocai então o Primeiro Mistério do Primeiro Mistério o qual tem misericórdia de cada um e dizei:
   Tu, Mistério que outorgamos a estas Almas ímpias e perversas que não o merecem, regressa a nós e fá-los desconhecer para sempre o Mistério de Teu Reino.
   E sacudi o pó de vossos pés como testemunho contra eles, dizendo:
   Que as vossas Almas sejam como o pó da vossa casa.
   E Amén vos digo: nesse momento todos os Mistérios que lhes haveis outorgado regressarão a vós e todas as Palavras e Mistérios da Região até onde receberam imagens ser-lhes-ão retiradas.”
   - Pistis Sophia