A Missão

CAPÍTULO VII

A Missão


    “Veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
Filho do homem, tu habitas no meio da casa rebelde, que tem olhos para ver e não vê, tem ouvidos para ouvir, e não ouve; porque é casa rebelde.
Tu, pois, ó filho do homem, prepara a bagagem de exílio, e de dia sai, à vista deles, para o exílio; e do lugar aonde estás parte para outro lugar à vista deles. Bem pode ser que o entendam, ainda que eles são casa rebelde.
À vista deles, pois traze para a rua, de dia a tua bagagem de exílio; depois, à tarde sairás, à vista deles, como quem vai para o exílio.
Abre um buraco na parede, à vista deles, e sai por ali.
À vista deles aos ombros a levarás, às escuras as transportarás; cobre o teu rosto para que não vejas a terra; porque por sinal te pus à casa de Israel.
Como se me ordenou assim eu fiz: de dia, levei para fora minha bagagem de exílio; então à tarde com as mãos abri para mim um buraco na parede; às escuras eu saí, e aos ombros transportei a bagagem à vista deles.
Pela manhã veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
Filho do homem, não te perguntou a casa de Israel, aquela casa rebelde: Que fazes tu?
Dize-lhes: Assim diz o Senhor Deus: Esta sentença refere-se ao Príncipe de Jerusalém e a toda a casa de Israel, que está no meio dela.
Dize: Eu sou o vosso sinal. Como eu fiz, assim se lhes fará a eles; irão para o exílio, para o cativeiro.
O príncipe que está no meio deles levará aos ombros a bagagem, e às escuras sairá; abrirá um buraco na parede para sair por ele; cobrirá o rosto para que seus olhos não vejam a terra.
Também estenderei a minha rede sobre ele, e será apanhado nas minhas malhas; levá-lo-ei a Babilônia, à terra dos caldeus, mas não a verá, ainda que venha a morrer ali.
A todos os ventos espalharei todos os que para o ajudarem estão ao redor dele, e todas as suas tropas; desembainharei a espada após eles.
Saberão que eu sou o Senhor, quando eu os dispersar entre as nações e os espalhar pelas terras.
Deles deixarei ficar alguns poucos, escapos da espada, da fome, e da peste, para que publiquem todas suas cousas abomináveis entre as nações para onde forem; e saberão que eu sou o senhor.”
- Ezequiel 12

    Aproximadamente um ano depois de ter passado por este processo Místico que conduziu à descoberta do Símbolo CLXV e do início do estudo sobre o Mistério, foi ordenado internamente que se criasse um Site onde se depositasse tal Mistério e o divulgasse.

    No dia 01/07/2005 foi feito o registro do Domínio que é o nome CLXV.org que havia de abrigar o Mistério CLXV. É interessante notar que tal data soma 15 (0+1 + 0+7 + 2+0+0+5 = 15).

    É certo que, apesar do que aqui está sendo exposto, muito mais foi vivenciado, tanto no relativo deste mistério quanto nos demais processos que a vida e o caminho impuseram.

    Nesta época que deu-se início a este projeto, fazia parte de uma instituição a qual os Diretivos discordaram da natureza do projeto e acabaram por perseguir e maldizer o trabalho realizado. Não apenas este trabalho em si, mas o que anteriormente havia sido feito por meio desta instituição e que até então apreciavam.

    Com o tempo, houve um afastamento forçoso por parte dos Diretivos dos cargos que possuía e, por fim, houve a expulsão da ordem.

    Em todos estes processos houve a necessidade de escolher entre uma Guiatura Humana e uma Guiatura Divina, afinal, o Espírito assinalava uma Missão e um Caminho, e fisicamente os cegos ditavam algo totalmente distinto da vontade do Espírito.

    Obviamente, este processo todo em especial, rendeu muitas dores, também rendeu muitos ganhos espirituais.

    Infelizmente, as pessoas estão acostumadas com um ensinamento morto, com palavras vazias e não têm a capacidade de aceitar a realidade espiritual quando se faz manifesta, quando realmente há resultados.

    Todos falam do Espirito, falam dos Mistérios, falam da Verdade, de muitas coisas, mas quando esta se apresenta, quando surgem os Mistérios, quando a Verdade descende dos céus, é posta sempre na mesma Cruz do martírio.

    É claro que, ao fim tudo isto são papéis que cada um cumpre no Drama Cósmico e mesmo as Trevas cumprem um papel fundamental no ascenso da Luz.

    Certamente, o objetivo de divulgar tal Mistério é, sem dúvida, dar a chave maior capaz de redimir e de ascender a Alma e mesmo o Espírito.

    Podemos falar sempre de muitas coisas, de muitos Mistérios, mas podemos, também, como é o caso, dar a semente de todos os Símbolos, de todas as Palavras e de todos os Mistérios, para que cada um possa, por si mesmo, chegar à Verdade, sem intermediários, sem enganos, sem meias palavras, sem sensacionalismos.

    O mundo já tem palavras demais, erros demais, mentiras demais.

    Quanto mais falamos, quanto mais explicamos e ensinamos, mais o mal se alimenta destas palavras e corrompe o ensinamento, deturpa a verdade.

    Chega o momento de retornarmos à verdadeira base de tudo e encontrar a Verdade de uma vez por todas.

    “Como você pode ver, Jehová colocou oráculos falsos na boca de todos esses profetas do rei, porque Jehová decretou a ruína do rei. Então Sedecias, filho de Canaana, aproximou-se de Miquéias, deu-lhe um tapa e disse: ‘Qual é o caminho por onde o espírito de Jehová saiu de mim para falar a você?’ Miquéias respondeu: ‘Você o verá no dia em que tiver de andar de casa em casa para se esconder’. Então o rei de Israel ordenou: ‘Prenda Miquéias e o leve ao governador Amon e ao príncipe Joás’. Você dirá a eles: ‘Por ordem do rei, ponham esse homem na prisão e o tratem a pão e água, até que o rei volte vitorioso’. Miquéias disse: ‘Se você voltar vitorioso, Jehová não falou por minha boca’.”
    - I Reis 22


    É Interessante observar o contraste dos tempos atuais onde a informação e as palavras são o que mais vemos por todos os lados, ainda assim, o vazio e o nada predominam absolutos em tudo que é dito, em tudo que é visto.

    A Verdade já não é vista ou escutada, porque as pessoas estão por demais saciadas em seus sentidos com lixo que abunda por todas as partes.

    Meditar, orar, integrar-se verdadeiramente com o Espírito é quase impossível para as pessoas, dado o profundo grau de adormecimento que geram todos estes sistemas que fazem parte do cotidiano de praticamente todo o mundo.

    Por este motivo é que os Mistérios surgem em seu maior esplendor e em sua mais original forma. Porque quanto maior são as Trevas, maior tem de ser a expressão da Luz.

    E quando as lições e os ensinamentos já não são mais escutados ou sequer percebidos pelos homens, a Verdade surge como o sussurro de uma Palavra e de um Sinal, de maneira que possa penetrar na Consciência e na Vontade daqueles que são dignos e merecedores de tal Mistério.


    Além do Site, ao longo dos processos com este Mistério, houve a orientação a fazer um Anel e, também, um Livro.

    O Anel consiste em uma base estilo Chevalier, no qual, olhando de frente, à esquerda do Símbolo principal central encontramos a escrita CL e à direita XV.

    Ao centro do Anel, em um plano oval, esculpido, também, em alto-relevo está o Símbolo cujos números são 16890.

    O Livro em questão, foi um receptáculo para os Mistérios descobertos sobre o Símbolo, de forma a organizar e a sintetizar tudo que fora conhecido.

    Aquele Livro foi feito de capa dura, onde em alto-relevo se encontra o Símbolo numérico CLXV. A cor da capa e contracapa mesclam as cores vermelho e preto, com o símbolo em vermelho escuro.

    O Anel serviu muitas vezes para poder expor o mistério às pessoas que questionavam sobre o Símbolo ao ver tal objeto, também, claro, antes de mais nada, certamente, um catalisador do Poder e do Mistério que este Símbolo e Palavra conformam.

    O Livro, por fim, serviu de base para este trabalho final que hoje fazemos acerca deste Mistério.

    O Anel, ainda que tivesse tido a percepção interna que deveria fazê-lo já na época de 2004, somente foi possível fazê-lo no final de 2012. O Livro também, foi feito ainda depois disto.

    Passaram-se quinze anos da descoberta do Mistério e, certamente, tanta coisa ocorreu ao longo deste tempo que seria impossível relatar.

    O que podemos afirmar é que a Vida se alimenta de Vida, e que toda criação alimenta-se da potência que a origina. Em outras palavras, o que fomos não é o que somos, e o que fizemos temos de sacrificar em prol do que temos de fazer.

    E isto é o que hoje realizamos, um sacrifício final no relativo a este Mistério, consumindo tudo que foi dito, escrito e feito acerca deste até então, de maneira a suprir esta Obra com tal potência e sabedoria.