Homens e Deuses

CAPÍTULO I

Homens e Deuses


    “Eu conheço os segredos do céu e do abismo e sou por isto o mais jovem e hábil dos Deuses. Oh Filhos da chama! O Abismo tem terrores que o céu ignora. Entretanto não compreende o céu quem cruzou a terra e o abismo. Eis aqui o Mistério do Bafometo.”
- Ritual Gnóstico de Eleusis

    Aquilo que vemos em uma Pessoa não é apenas o que ela se tornou ao longo de sua existência, mas aquilo que ela acumulou ao longo de muitas idas e vindas do mundo.

   Há que se compreender que ainda que as pessoas pareçam-se entre si, há os que estão indo, há os que estão vindo, e há os que já foram e já voltaram milhares de vezes. E, não apenas foram e voltaram do mundo, mas do Espírito, no sentido de realizar esta jornada de Autorrealização Íntima.

   As Pessoas, Almas em Corpos Humanos, são o resultado de um longo processo de Evolução o qual permite ao Indivíduo neste estágio superar seu estado atual por meio de um supremo grande esforço de Transformação. A Vida tem seus ciclos e algumas criaturas logram mesmo liberar-se de certos limites que a natureza impõe, como o limite de existências no Reino Humano.

   Isto significa que há Seres cuja natureza é muito antiga e que reincorporam-se no mundo infinitas vezes, conforme sua vontade e de acordo com a necessidade universal, para sempre cumprir com o que lhe cabe em cada época e local correspondentes.

   Quando falamos de processos Religiosos, no sentido de Avanços Espirituais, algumas pessoas entendem que o indivíduo chega até uma informação e então busca viver isto e chega até um resultado.

   Mas como já afirmamos a vida é um contínuo ciclo de existências que no fundo permite a continuidade daquilo que anteriormente já realizamos, por meio do que já nos tornamos, pelo que temos compreendido, encarnado.

   Isto explica porque muitas criaturas quando vêm ao mundo têm um olhar único e diferente, muitas vezes alheio à grande parte da sociedade. Imunes à maioria dos erros comuns e cotidianos que comumente cometem as pessoas em geral.

   É claro que conforme realizamos algo verdadeiro em nosso interior, tais mudanças nos acompanham seja na vida, seja na morte. Estejamos nós em Corpo, em Alma ou em Espírito, aquilo que nos tornamos verdadeiramente, aquilo que temos Encarnado sempre nos acompanha, sempre está conosco e para sempre faz parte de nós.

   Assim, que não é simplesmente aquilo que hoje fazemos que faz a diferença naquilo que somos, mas o acumulado de tudo que já fizemos e aquilo que nos tornamos por meio de nossas escolhas e vivências.

   Isto talvez seja o maior fundamento para entender o processo que vive a Pessoa como Alma, e aquilo que é o Íntimo de uma pessoa.

   Como pessoa uma criatura pode não ser digna do que é em seu Íntimo, porque em sua existência não equiparou-se a tudo aquilo que já fez e que já foi, ainda assim, carrega em seu interior uma força muito maior do que é capaz de manifestar, de expressar.

   Não faria sentido se a cada retorno ao mundo as Almas tivessem que reiniciar seu ascenso ao Espírito em vez de continuar de onde pararam. Este, talvez seja o maior erro dos Iniciados ao tentar entender a Jornada Espiritual e seus processos de Divinização.

   É certo que como pessoas temos de reviver as façanhas do Espírito e nos equiparar a ele novamente, preparando nosso Corpo e nossa Alma para seu Advento, uma vez que já tenhamos realizado anteriormente em remotas épocas tal Titânico Trabalho.

   Para muitos, o caminho é trilhado pela primeira vez, e por isto é mais difícil de se ter resultados e mais demorado, afinal não conhecem o caminho e têm de fazer as escolhas e vivenciar tais processos sem saber o que lhes espera, por onde seguir e mesmo o que resultará de seus esforços.

   Isto é como uma pessoa que faz uma viagem qualquer pela primeira vez, e tem de atentar para as coisas mais básicas como o Percurso, os Perigos, e tudo aquilo que de mais básico lhe impede de aproveitar mais profundamente a jornada e o resultado dela.

   Por isto que não há vergonha que algumas criaturas não sejam capazes de conhecer, dizer e fazer coisas que outras criaturas conheçam, digam e façam. Cada um tem seu momento e seu processo único. Mesmo aquele que hoje vem, um dia teve de também de ir, e, assim, viveu aquilo que hoje o segundo vive pela primeira vez, que a seu tempo também poderá fazer o que o primeiro faz, e muito mais.

   A vantagem em se ter um guia nesta Jornada é que vamos em um caminho onde algo já nos assinalam e temos o benefício de poder fazer melhor, fazer mesmo com mais força, uma vez que tivemos sua experiência para auxiliar-nos.


   Quando um Homem quer dialogar com um Anjo, ele tem de ter a virtude do Anjo, ou este não comparece porque não se tem o elo, a afinidade para que este Milagre ocorra.

   Assim, também os Mistérios têm suas exigências para que se apresentem e para que se manifestem, e ainda maior é a exigência para que se encarnem e se expressem.

   Muito daquilo que as pessoas acreditam ser Criaturas, no fundo são Forças. Forças as quais devido à afinidade e a preparação de certos Corpos, Almas e Íntimos, manifestam-se por meio de tais Indivíduos.

   Hoje se fala demasiado sobre Jesus, mas Jesus um dia foi um Homem comum, como qualquer pessoa que vemos andando pelas ruas, que até então não havia integrado-se com a Divindade. Certamente não em sua existência conhecida e documentada, mas em outro remoto passado.

   Ele realizou algo, e morreu, então nasceu novamente e fez algo mais e, assim, sucessivas vezes e transformou-se como Alma, e até como Espírito, em algo afim com uma coisa muito maior que ele mesmo.

   O Cristo não é Jesus, mas Jesus é o Cristo.

   Já houve na História da humanidade muitos Cristificados, isto porque o Cristo é uma força, não uma Pessoa. O Cristo é uma força que se manifesta em indivíduos devidamente preparados.

   O Cristo não deixa de ser um Mistério, e acima dele e abaixo dele há outros Mistérios.

   Estas Forças Espirituais sempre testam severamente e persistentemente os indivíduos que anseiam penetrar em seus domínios e encontrar tais Mistérios. Ainda mais duro e terrível é obter para si, tornar parte de cada um, tais terríveis verdades imemoriais.

   Muitas pessoas acreditam serem sábias porque estudaram algo, porque conhecem um ensinamento ou um Mistério. Infelizmente, a quase absoluta totalidade destas pessoas apenas têm em sua memória uma informação sobre tal coisa, não têm real compreensão, consciência e muito menos têm em si a posse real de tal preciosidade.

   Isto gera com que quando sai do mundo, perca tudo aquilo que com tanto orgulho levava em sua mente e sofra fora e mesmo quando retorne ao mundo.

   Há almas que já foram e voltaram muitas vezes da Esfera e ainda assim, nada sabem realmente, nada aprenderam.

   Esta é a dura realidade dos tempos em que vivemos. Tempos onde todos creem-se sábios e ninguém sabe nada sobre coisa alguma, verdadeiramente.

   Para receber algo temos de dar algo, os Mistérios requerem um preço muito alto para serem vistos, que dirá para serem compreendidos ou encarnados.

   Quem nada dá, nada recebe, isto é Lei. E as pessoas nunca estão dispostas a fazer tais Sacrifícios e por isto que o mundo é o que é e as pessoas são o que são.

   Aquele que anseia pelos Mistérios necessita encontrar e seguir o Espírito Divino, seu próprio Íntimo, sua natureza mais profunda e oculta dentro de si mesmo.

   Infelizmente, as pessoas não sabem e não querem fazer isto, porque é muito custoso adquirir o que necessita ser criado e despojar-se o que precisa ser eliminado.

   Indiferente do avanço que já tenhamos feito em passados remotos, ou estando nós trilhando este caminho rumo ao Espírito pela primeira vez, sempre há mistérios, poderes e dons que naturalmente fazem-se manifestos ao longo de nossa jornada se verdadeiramente estamos caminhando.

   Se nada fazemos, nada nos é dado, e aí se demonstra o que cada um fez e está fazendo, tanto pela Divindade, como por si mesmo e pelos demais.